sábado, 6 de junho de 2009

O Poder do Mito*

* alusão ao livro homônimo de Joseph Campbell

Terapia algumas vezes pode ser algo desagradável. Você se depara com partes da sua personalidade que nem sabia existirem. Se depara com seu próprio Ego. Com quem você realmente é.

Meu terapeuta, graças à Deus, além de estudante de temas espiritualistas, é um seguidor apaixonado de Carl Gustav Jung, que é, para mim, o maior expoente de todos na História da Psicologia.

Um dos pontos mais importantes na teoria de Jung é a comparação com os mitos, com as estórias (hoje consideradas mera ficção) antigas, que em seu lado mais profundo, nos revelam à nós mesmos.

Como dizia a inscrição na entrada do Oráculo de Delfos, "conhece-te a ti mesmo".

Esse é o poder do mito. Mostrar a você quem você realmente é, e o que realmente faz.

Semanas atrás, meu terapeuta indicou que eu estudasse o mito da Caixa de Pandora.

E como foi assustador entender que minha ex-esposa era a minha Pandora, eu era Epimeteu, que sem pensar, a desposei. E ela abriu a caixa da minha vida, e permitiu que de lá saissem tantas coisas, tantas mágoas, tanta dor, tanta tribulação. E ela prendeu na caixa, que carregou consigo, toda a minha esperança. Mas a esperança seria sofrimento? Segundo Nietzsche, sim.

Ou quando ele me pediu pra estudar o mito de Narciso. Seria eu um narcisista? E qual foi a dor de entender que sim... Que eu procuro um herói fora de mim, uma auto-imagem externa. Me prendo à algo que deveria estar dentro de mim, e SABIDAMENTE dentro de mim, mas procuro isso fora. E contemplo essa imagem de fora, e me perco esquecendo de viver o presente, o que me cerca.

E agora, ele me pede pra estudar o mito de Sansão e Dalila. Entendendo que eu sou Sansão, me entregando ao orgulho dos meus "cabelos", e pondo neles a crença da minha força. E Dalila, o medo que sinto. Me tira o orgulho, me tira os "cabelos", e me mostra o quanto sou fraco. Mas tenho que me humilhar perante Deus, e tirar d'Ele a força pra continuar, e romper os pilares do templo dos meus inimigos.

Mas o meu inimigo maior sou eu mesmo.

E nesse confronto, quem tem força suficiente pra suportar, ou vencer?

Enquanto não sei a resposta, aguardo o próximo mito para estudar. E me entender. E quem sabe, um dia, com as bençãos do Pai, me vencer...



Ou tentar um empate...

3 comentários:

Nanael Soubaim disse...

Assistir ao filme (com Heddy Lamarr) te ajudaria. Certamente alguma locadora tem com desconto.

Roger... disse...

Lindo... Histórias fascinantes concerteza que nos ajudam a entender um pouco de nós mesmos! Show!!!

Adriane disse...

Muito bom, Du!
Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo.
Bjs