quarta-feira, 30 de julho de 2008

O Início

Aquele dia me mudou pra sempre. Me fez ver as coisas, e à mim mesmo, com mais frieza. Me fez entender que o mundo não é pra mim. É pras pessoas. Eu só existo pra fazer as pessoas se adaptarem ao mundo. Mas embora tenha essa função no mundo, eu mesmo sou o maior de todos os desajustados.

E eu sou uma pessoa, também. Porém, uma pessoa que tem consciência de seus atos, às vezes. Procuro viver da melhor maneira que me é possível, da maneira que dá. Da maneira que me é permitido.

A vida pra mim se abre como um novelo infinito, de pessoas, atos, acontecimentos. Os chamados "acasos", nada mais são do que a mão de Deus agindo sobre nós, para nos levar ao crescimento ou aprendizado.

O Equilíbrio, esse sim, é a minha busca. O equilíbrio das forças em oposição em mim.

Meus desejos e minhas necessidades, se batem infinitamente.

Mas qual é o melhor, desejo ou necessidade?

Em um momento, pode ser um...

Em outro momento, outro pode ser melhor...

Ambos são bons, ambos fazem de mim o que sou. Ambos tem que coexistir em mim.

E satisfeitos ou sanados conforme a possibilidade.

De acordo com isso, de qualquer forma, eu estarei passando por alguma coisa.

Mas não é assim com todos nós?

2 comentários:

Nanael Soubaim disse...

Pelo menos deveria ser.

Adriane disse...

Somos sempre muitos, somos legi�o,
Fio....
Mas n�o esque�as: o bom ouro se prova no fogo.
Bjs!